Desporto e Saúde
Dirio de Viagem
Clubes Amigos
Arfadores
Meteorologia
Passeios
Curiosidades
Contactos
Pub


 

DIRIO DE VIAGEM

[7]   nuno  |  11/08/2004

Decorreu ontem, Dom.07/11/2004, a 31- etapa da estafeta.

Com o merc+rio a marcar os 5-C, arranc+mos das Termas de S. Pedro do Sul, +s 8h:30m, nas viaturas que nos levaram ao alto do Caramulinho. As bicicletas partiram um pouco mais cedo, devidamente acondicionadas, nas carrinhas gentilmente cedidas pela VULCANO e pela PENS+O DAVID.
Com algum vento e frio, mas com uma paisagem fant+stica e prometedora, demos in+cio + viagem pelas 9h:30m no alto do Caramulinho e cheg+mos +s Termas de S. Pedro do Sul pelas 18h:15m, depois de 102Km, de um duro desn+vel acumulado acima dos 2000m e da miss+o cumprida (entrega do testemunho em Ch+s).
O testemunho foi entregue ao Victor Oliveira, em Ch+s, + cota 1120m, pelas 17h:00.

31- Etapa da Estafet@ G Caramulinho - Ch+s
Percurso: Caramulinho; Varziela; Mogueir+es; Vouzela; Serrazes; Coelheira; Ch+s
Dist+ncia: 102 Km
Objectivo: Entrega do testemunho ao Vitor Oliveira em Ch+s.

O percurso pode-se caracterizar em 5 fases:
Fase 1 - Caramulinho G Mogueir+es:
percurso sobre linha de cumeada da Serra do Caramulo, um desce e sobe entre as cotas 1000 e 850m, com partes de estrad+es, caminhos de gado e alguns trilhos de muita pedra e tecnicamente demolidores, em que por vezes a seguran+a e poupan+a de esfor+os obrigaram viajar a p+.
Fase 2 - Mogueir+es G Vouzela:
Primeiro com descidas t+cnicas ainda com muita pedra, depois oscilando entre o piso rolante e carreiros (alguns deles de dif+cil progress+o), chegando a Vouzela pela antiga linha de caminho de ferro e com o mapa do percurso bem gravado nas pernas a bico de tojo, silvas e afins.
Fase 3 - Vouzela G Coelheira:
Come+ou com uma descida em asfalto at+ passarmos o Rio Vouga (+ cota 180m), ap+s o qual come++mos verdadeiramente a subir, primeiro sem dificuldades t+cnicas, predominando o asfalto e estrad+es, depois, GǪ depois foi uma durezaGǪ.
Para chegarmos + Coelheira atac+mos a Serra da Arada via Serrazes. Ap+s o parque de merendas de Pis+o, a subida do dia foi longa e alternou o tecnicamente sofr+vel com o Gǣimposs+velGǥ, algumas GǣcraterasGǥ escavadas pela +gua foram dificilmente transpostas a p+.
Fase 4 G Coelheira - Ch+s
Esta fase, com cerca de 5km, alternou o piso razo+vel com muita pedra solta, foi uma aut+ntica GǣescaladaGǥ ao marco geod+sico de Ch+s G 1120m.
L+ em cima as vistas s+o arrebatadoras, + um terra+o com vistas para a ria de Aveiro, para o mar e para as Serras do Arestal, Freita, Montemuro, Caramulo, EstrelaGǪ
Fase 5 G Ch+s - Termas
Descemos em trilho t+cnico +s Minas de ch+s e depois at+ ao asfalto que, em 35 km, nos levou a Manhouce, St- Cruz da Trape, Serrazes e Termas de S.Pedro do Sul.


Avarias:
4 Furos e n+o se registaram avarias. 3 dos furos eram lentos e n+o implicaram perdas de tempo, a opera++o desmontagem/montagem foi efectuada aproveitando a paragem para reabastecimento em Vouzela.
Not+vel numa etapa com estas caracter+sticas.

Paragens:
Uma paragem em Vouzela ao Km 42 para provar os magn+ficos pasteis e reabastecimento.

Nas Termas de S. Pedro do Sul, a GǣbaseGǥ desta miss+o, fic+mos alojados na Pens+o David e no final da etapa fomos fantasticamente tratados com a +gua termal dos Balne+rios Rainha D. Am+lia, com direito: a banho; piscina; hidromassagem; duche de vichy (massagem); duche de jacto. Uma cortesia da C+mara Municipal de S. Pedro do Sul que depois de um dia de a pedalar de sol a sol nos deixa incapazes de expressar os nossos agradecimentos.

Um destaque muito forte para o grupo de amigos que aceitou o desafio.
As caracter+sticas da etapa e um grupo t+o numeroso tornavam + partida o objectivo demasiado ambicioso, GǪ
...COM ESTE GRUPO FOI POSS+VEL!!!
Os 31 fant+sticos companheiros de viagem:
Alvaro Rocha; Cl+udio Nogueira; Cristov+o Mesquita; Daniel Martins; David Homem; Fernando Carmo; Gustavo Cap+o; Jo+o Ferr+o; Jo+o Garcia; Jo+o Maia; Jo+o Pedro; Jo+o Ribeiro; Jos+ Lu+s Carvalho; Jos+ M.D. Cunha; Jos+ P. Abreu; Manuel Rebelo; M+rio Fernandes; Miguel; Nuno Jalles; Nuno Gomes; Pedro Costa; Pedro Rold+o; Pedro Soares; Ricardo Gomes; Rui Almeida; Rui Sousa; S+rgio Nunes; Valdemar Oliveira; Vasco Sousa; Victor Ara+jo; Vitor Oliveira.


Nuno Gomes



[6]   Nuno  |  09/06/2004

2- Super-Travessia Garmin

Depois da participa++o na Super Travessia de 2003, que superou largamente todos os sonhos e GǣpesadelosGǥ que a antecederam, tive nova reca+da GǪ e l+ estarei na senda da arfadela na Super Travessia Garmin 2004.

Com o apoio:Companhia de Fitness - Aveiro Health Club
Na mais dura e longa
ultra maratona em BTT da Pen+nsula Ib+rica
De 24 Junho a 4 de Julho
De Bragan+a a Sagres G em 11 dias
1200 km G 22400 metros de acumulado de subida
Por caminhos florestais, cal+adas romanas e medievais, estrad+es, single tracks + beira de fal+sias, GǪ
Recorrendo + orienta++o por GPS
Competi++o em autonomia total
Dist+ncia m+dia di+ria superior a 100km (6 horas a pedalar)
...

Alguns lugares de passagem e pernoita:

Bragan+a, Quintanilha, Vimioso, Ca+arelhos, Sendim, Urr+s, Vilarinho de Galegos, Mazouco, Freixo Espada + Cinta, Poiares, Barca DG+lva, Castelo Rodrigo, Almeida, Vilar Formoso, Alfaiates, Foios, Termas de Monfortinho, Monsanto, Idanha-a-Velha, Idanha-a-Nova, Ladoeiro, Lentiscais, Vila Velha de R+d+o, Castelo de Vide, Marv+o, Campo Maior, Degolados, S.Vicente, Montes Juntos, Monsaraz, Mour+o, Pias, Cabe+a Gorda, Entradas, Castro Verde, Garv+o, Santa Clara, Carapeto, Rogil, Aljezur, Monte Novo, Carrapateira, Sagres.

_____________________


Recapitulando a ST 2003:

As grandes subidas:

3- Etp - Freixo/Alfaiates - (Barca D'alva/Castelo Rodrigo-21,5 Km c/ desn+vel ac.de 3,8%)
10- Etp - Castro Verde/Rogil) - (Espinha+o de C+o-4,77 Km c/ desn+vel acum. de 7,6%)
5- Etp - Monfortinho/Ladoeiro) - (Monsanto-1,39 Km c/ desn+vel acum. de 10,7%)
7- Etp - Castelo Vide/Campo Maior) - (S.Mamede-3,94 Km - 6,8%) - (Marv+o-4,33 Km - 5,7%)

Etapas mais dif+ceis:

3- Etp - Freixo/Alfaiates (dist+ncia, acumulado de subida, calor, vento, solid+o)
9- Etp - Monsaraz/Castro Verde (dist+ncia, solid+o, sobe e desce constante, vento)
1- Etp - Rio de Onor/Sendim (calor, acumulado de subida, desconhecimento das pr+prias capacidades e dos restantes participantes, adapta++o f+sica)

As mais bonitas:

4- Etp - Alfaiates/Monfortinho (isolamento total, paisagens fabulosas da Malcata)
11- Etp - Rogil/Sagres (De volta + beira mar)
2- Etp - Sendim/Freixo (As esplanadas sobre o Douro)

As mais t+cnicas:

7- Etp - Castelo de Vide / Campo Maior (Descidas de rabo no pneu, single tracks, descidas e subidas em cal+adas medievais,...)
11- Etp - Rogil/Sagres (as subidas e descidas das fal+sias Vicentinas)
5- Etp - Monfortinho/Ladoeiro (pr+ e p+s Monsanto)
2- Etp - Sendim/Freixo (Algumas subidas e descidas e a divers+o nas lajes de granito)


Links:

Site Oficial da Super-Travessia
Fernando Carmo
Rui Sousa
Guillaume Kuchel
BTT Mania

Na senda da Arfadela
nuno gomes



[5]   Nuno  |  23/02/2004

N+o sei o que vos diga!
Dom.22.02.2004, foi um dia que permanecer+, certamente, na mem+ria dos arfadores.

(GǪ por volta das 5:30 j+ eu pedalava com grande dificuldade, tinha sa+do de Vieira de Leiria e pagava muito caro a op++o de levar aquela antiga bicicleta Gǣdesdobr+velGǥ, com aquele selim de molas t+o largo e t+o alto... +s 7:30, quando as campainhas tocaram, j+ eu estava a chegar a Santar+mGǪ
A meio da tarde j+ estava novamente em franca actividade, quando sou interrompido: Gǣ-GǪ n+o ouves o telem+vel GǪ - + o Ferr+oGǪGǥ Abrando o ritmo e come+o a ouvir razoavelmente: GǣJ+ viste o Caramulo? GǪ est+ branquinho! GǪ vai ver est+ um espect+culo!... n+o era impress+o nossa estava mesmo frio...Gǥ)

Entre aquelas duas viagens tive um sonho a cores ou seria um pesadelo? :
Era mais uma banal volta no quintal com sa+da de Aveiro +s 8:00, ia ter com os arfadores e passar por Serenada +s 9:00 para completar a companhia. Depois era s+ subir at+ ao Gǣalto da IP5Gǥ, l+ chegando , o arfador que h+ em n+s estaria amansado, voltar+amos para casa satisfeitos por mais uma grande pedalada. GǪ
Eis sen+o quando, o arfoguia se lembrou de inventar. Tinha umas luvas novas GǣwindstopGǥ e ningu+m o parava.... Mandou vir o vento, a chuva e aumentar o frio, e l+ fomos a subir at+ Talhadas. Quando j+ desc+amos para Seixo tivemos a primeira amostra do que nos estaria reservado. A chuva ca+a copiosamente, os cal+os recusavam-se a trabalhar naquelas condi++es adversas, as canelas acusavam temperaturas negativas. Chegados a Seixo, depois de descer uns +ngremes 2 km, somos confrontados com a conversa do costume vinda debaixo de um guarda-chuva: -GǪ +h amigos por a+ n+o h+ sa+daGǪ aquele caminho vai dar ao rioGǪ o outro acaba logo aliGǪ ides para onde? GǪPara AVEIRO!! (sorrisos incr+dulos e sem coment+rios).
Derrotados e apenas convencidos por que o temporal assim o aconselhava, volt+mos para tr+s para atacar a estrada que desceria at+ +gueda. Que tormenta: Chuva impiedosa, vento q.b., po+as de +gua reg+lidas e um frio altamente penetrante fizeram de n+s os mais comentados transeuntes do asfalto. O que nos ter+o chamado?GǪ
Chegado ao doce lar do 1- afortunado, imp+s-se uma paragem estrat+gica e recuperadora, que serviu, tamb+m, para confirmar o estado deplor+vel dos arfadores e cujo expoente m+ximo desse estado foi demonstrado pela estupefac++o de quem nos olhava, pelas tremuras da Gǣch+vena de ch+Gǥ, pelas po+as de +gua/suor denunciando a nossa presen+a e pelos guinchos aflitivos de um telem+vel que deu por ali encerradas as suas comunica++es.
O momento mais aguardado deste sonho, o retemperador banho quentinho, revelou-se a +ltima tortura, a +gua t+pida fazia doer as m+os, os p+s e tudo o maisGǪ

+ por estas e por tudo que os arfadores revelam um estado de esp+rito que eu gosto particularmente.
No rescaldo da reg+lida arfadela
nuno gomes



[4]   m+rio  |  17/02/2004
"O alto da SERRA DA ARADA"

A Serra da Arada faz parte do Maci+o da Gralheira! Para mim, uma das serras mais genu+nas de Portugal! Posso explicar porqu+ mas... Descubram no livro de M+rio de Ara+jo Ribeiro "O Maci+o da Gralheira"! H+ de tudo nesse maci+o... embora j+ se comece a assistir + "chegada dos turistas", por estradas entretanto abertas para quebrar o isolamento das popula++es! Mas adiante....
7:45 - Como sempre uns atrasados, mas dentro do hor+rio "previsto"!
9:00 - S.Pedro do Sul- quase ningu+m nas ruas desta bel+ssima terra de termas e um frio suport+vel;
9:25 - 4 ARFADORES, 1 "ESTAGI+RIO" (sim, porque isto de ser Arfador n+o + s+ pedalar como deve ser :)) e o Homem da terra e nosso guia - Obrigado David - ao todo 6 bttistas prontos para o melhor...
9:30 - come+a o "aquecimento" com aquelas subidas em alcatr+o at+ sairmos das Termas e alcan+armos uma zona mais.... a subir! Exacto, porque foi disso que se tratou nas seguintes 2:30h, que foram quase sempre a subir !!! E que subida a +ltima at+ Arada, no topo da serra... e que frio!!
11:30 - Coelheira - Mais uma aldeia t+pica e "distante" a partir qual inici+mos a nossa longa e estonteante descida!! Primeiro, por um trilho degradado e pedregoso, motivo de dois ou tr+s tombos sem gravidade, depois um estrad+o largo (futuro asfalto!!) a pedir "speed" e...meu Deus, se me espalho... A seguir, alcatr+o! Bem, tanta curva e contra curva num asfalto bom que de tanto curvar e travar, deu para chegarmos cansados mas a sorrir plenos de satisfa++o por ter realizado mais um passeio digno de Arfadores!!!
12:45 - P+tio da Pens+o David - Que del+cia aquelas chouri+as!! Bem haja a tua Av+, David! Fruta, +gua, p+o e uns folhados de carne pequenos, ... Um final em grande, tal como o percurso que realiz+mos
Gostaram? Para a pr+xima venham connosco, porque para al+m do sofrimento e da dureza dos nossos passeios, de certeza, que v+o descobrir mais um recanto bonito do nosso "Portugal desconhecido", com uma companhia alegre e um "mimo" gastr+nomico no final! Obrigado David!
E n+s, Arfadores, para a pr+xima l+ estaremos mais uma vez!

[3]   jo+o  |  16/02/2004
Sete da manh+. Hora madrugadora que indiciava, j+, o que se viria a passar. O desafio chamava-se Serra da Arada. Acedendo ao convite de um jovem companheiro de S. Pedro do Sul, cedo partimos para esta bel+ssima localidade, para, a partir daqui, atacarmos as alturas da Serra.
O desafio j+ se sabia dif+cil, mas nada fazia prever o quanto mais dif+cil ele se tornaria. Os primeiros quil+metros foram de f+cil e apraz+vel deleite. Percorrendo antigos caminhos rasgados nas encostas da Serra, ainda atapetados por castanho manto de folhas outonais, o esfor+o, ainda ligeiro, era praticamente impercept+vel face + beleza da paisagem. Faziamos parte dela, e a Serra, imp+dica,a cada curva do trilho, a cada clareira da vegeta++o, fazia quest+o de se revelar em despretensiosa e natural ostenta++o.
Com a altitude, os frondosos bosques de carvalhos deram lugar + vegeta++o arbustiva. A agrura do clima a mais n+o permite. As cicatrizes profundamente rasgadas nos trilhos demonstravam-no! A aproxima++o ao topo era cada vez mais dif+cil. Pedalar era tarefa imposs+vel. Todo o avan+o conseguido, cada metro vencido, foi-o + custa de passadas +geis, saltando de pedra em pedra, e carregando +s costas o que era pressuposto que nos carregasse a n+s.
O cansa+o foi muito, a fadiga imensa, mas a satisfa++o... incomensur+vel!
Um percurso digno de Arfadores.
E para culminar, o nosso anfitri+o n+o quis deixar os seus cr+ditos por m+os alheias! + nossa espera estavam umas incomparavelmente deliciosas chouri+as assadas e uns folhados de carne, servidos ainda no tabuleiro, que eram um verdadeiro hino + gula. O que dizer mais? Talvez um, porque nunca + demais, "obrigado David". Assim as for+as nos permitam, e a oportunidade surja, havemos de repetir.

[2]   jo+o  |  31/01/2004
Palavras para qu+?






[1]   Jo+o  |  14/01/2004
2004. Um novo ano come+ou! Esperemos que seja, no m+nimo, t+o prof+cuo como 2003. As actividades, pr+prias e outras, nacionais e transnacionais foram quase in+mer+veis. A vontade de ir a todas foi quase irresist+vel, mas a disponibilidade n+o chegou para tudo. A sensa++o de que "aquela actividade" + que era, persistiu em tomar o controle dos nossos sentimentos. Mas l+ nos contentamos com um "para o ano vou l+"! Mas enquanto persistir essa sensa++o, isso + sinal indel+vel que a vontade de praticar BTT est+ l+ e que no m+nimo faremos tanto como no transacto. Assim seja.
Bom ano de 2004 para todos os companheiros de trilho e para toda a comunidade BTT.


  Histórico: 2002 |  2003 |  2004 |  2005 |  2006 |  2007 |  2008 |  2009 |  2010 |  2011 |  2012 |  2013 |  2014 |  2015 |  2016